Thor: Ragnarok
Data de lançamento: 26 de outubro de 2017 
Direção: Taika Waititi
Elenco: Chris Hemsworth, Tom Hiddleston, Cate Blanchett...
Gêneros: Ação, Fantasia, Aventura, Ficção científica
Avaliação: 4/5

Sinopse: "Thor (Chris Hemsworth) está preso do outro lado do universo. Ele precisa correr contra o tempo para voltar a Asgard e parar Ragnarok, a destruição de seu mundo, que está nas mãos da poderosa e implacável vilã Hela (Cate Blanchett." 

Oi gente! Tudo bem com vocês? Eu fui ao cinema assistir Thor Ragnarok e temos muitas coisas para falar, pontos positivos e pontos negativos. 

É o terceiro filme de Thor e quem assistiu ao último e lembra do final (não vou contar aqui pra não dar spoilers) basicamente é o início desse filme. Começamos por essa descoberta. 
Além disso, mais no início do filme antes disso acontecer, Thor estava preso em uma jaula tentando se libertar do temido titã do tempo: Cronos (EXTAMANTEEE! CRONOS!)

Quando Thor descobre que tem uma irmã que é a deusa da morte, que surge para tomar o trono de Asgard ao invés de Thor, ele precisa mais do que nunca unir forças e derrotá-la para salvar seu povo e tomar o trono de volta, mesmo que isso custe caro. 




Thor é o meu segundo herói favorito (o primeiro é o HULK!) e os dois primeiros filmes, com uma pegada mais "dark" é bem diferente deste terceiro. 

Podemos notar claramente o humor exagerado no filme, quase o deixando uma comédia. Os filmes anteriores da Marvel tem piadas, mas tem um equilíbrio nelas, sabendo a hora da ação e a hora da comédia. Em Thor ragnarok tem piadas em quase todas as cenas e isso acabou deixando o filme bem exagerado de piadas. 

O pior (e último, aleluia) ponto negativo que me deixou muito decepcionada foi o modo como Hulk ficou neste filme, parecendo que tem cinco anos de idade. Estamos acostumados com o Hulk que esmaga, que é violento, mas que se mostra um incrível vingador e justamente por isso é o meu preferido, mas nesse filme (por mais que ele esmague) ele não parece tão violento e nem muito irritado, Mark Ruffalo também teve suas cenas comédias, mas cenas exageradas com piadas que com certeza o Hulk não faria. Hulk se torna engraçado nos filmes dos vingadores por acabar fazendo algo engraçado que ele não percebia que era engraçado como a famosa cena "Deus Fraco" (que é retomada nesse filme) e por isso ficou exagerado as piadas que ele acabou por fazer neste filme já que ele aparentava estar sempre com raiva e neste filme isso não aconteceu. 

A relação entre Thor e Loki me deixou muito animada, é claro que acontecem desavenças entre eles nesse filme, mas Loki pareceu entender que Thor era irmão dele e que por mais que Loki aprontasse as suas, Thor queria o seu bem e os dois irmãos embarcam nessa aventura em derrotar a vilã Hela juntos e foi incrível as cenas dos dois!

Hela é aquela vilã que você ama por exemplo o próprio Loki e o coringa. Ela é a deusa da morte, filha mais velha de Odin e é incrivelmente poderosa, já que por ser a deusa da morte, ela não morre fácil não! E quem lembra dela no trailer acabando com o martelo de Thor? Isso tem uma explicação bem simples no filme, mas eu não vou contar porque isso é sim um spoiler e não quero estragar a surpresa!

Além de tudo isso, quando Thor e Loki voltam para a Terra em um ponto do filme, quem recebe eles é o doutor estranho! Isso mesmo, quem assistiu doutor estranho e viu as cenas pós créditos percebeu que uma era ele conversando com Thor sobre o futuro de Asgard e essa cena volta ao filme de Thor e foi muito maravilhosa.

E por último uma coisa que eu não deixou de falar é sobre a trilha sonora maravilhosa que deixou todos os pelos se eriçarem com cenas de luta em que a música do Led Zeppelin tocava. 

Bom gente, espero que vocês tenham gostado da resenha de hoje! Super beijos e até o próximo post

Paula Nunes.  

A Maldição do Titã 
Autor (a): Rick Riordan 
Editora: Intrínseca 
Páginas: 316
Avaliação: 5/5

Sinopse: "Um chamado do amigo Grover deixa Percy a postos para mais uma missão: dois novos meios-sangues foram encontrados, cuja ascendência ainda é desconhecida. Como sempre, Percy sabe que precisará contar com o poder de seus aliados heróis, com sua leal espada Contracorrente... e com uma caroninha da mãe. O que eles ainda não sabem é que os jovens descobertos não são os únicos em perigo: Cronos, o Senhor dos Titãs, arquitetou um de seus planos mais traiçoeiros, e nossos heróis serão presas fáceis. Um monstro ancestral foi despertado - um ser com poder suficiente para destruir o Olimpo - e Ártemis, a única deusa capaz de encontrá-lo, desapareceu. Percy e seus amigos têm apenas uma semana para resgatar a deusa sequestrada e solucionar o mistério que ronda o monstro que ela caçava. Ao longo dessa jornada, enfrentarão o maior desafio de suas vidas: a terrível profecia da maldição do titã."

Oi gente! Tudo bem com vocês? Hoje eu trago mais uma resenha de livro e é o terceiro livro da saga Percy Jackson e os olimpianos! 
O livro começa com Percy, Thalia e Annabeht em uma missão para buscar dois novos meios-sangues que Grover - O sátiro melhor amigo de Percy - encontrou os irmãos Nico e Bianca Di Angelo.
Mas o que eles não imaginavam era que também iriam correr grandes perigos nessa missão, onde Annabeht é sequestrada por um monstro, cuja espécie é um manticore, que serve ao titã Cronos e que tem como seu aliado o semideus Luke. 

OBS: Thalia está na missão já que faz alguns meses que a filha de Zeus deixou de ser um pinheiro e voltou a sua forma humana por conta do velocino de ouro - Caso você não tenha lido as outras resenhas clique aqui para a resenha de O Ladrão de Raios e aqui para a resenha de O Mar de Monstros. 

Além de Annabeht ser sequestrada, a deusa da caça - Ártemis também é pega em uma missão que estava fazendo sozinha e então suas caçadoras vão ao acampamento meio-sangue para decidir lá o que irão fazer. Dois meios sangues e três caçadoras decidem ir em busca de Ártemis, mas nosso protagonista, filho de Poseidon, não se deixa ficar sem fazer nada e escondido vai junto na busca de sua melhor amiga Annabeht. 
Percy descobre então quem estava por trás do sequestro de Annabeht e o mesmo estava por trás do sequestro da deusa Ártemis e assim passa a ajudar Thalia, Zoë, Bianca e Grover a encontrar e resolver essa missão. 


A oeste, cinco buscarão a deusa acorrentada,
Um se perderá na terra ressecada,
A desgraça do Olimpo aponta a trilha,
Campistas e Caçadoras, cada um, brilha,
A maldição do titã um deve sustentar,
E, pela mão do pai, um irá expirar.


Sendo sincera, este está sendo o meu livro preferido da saga de Percy Jackson. Com personagens novos e cativantes que deixaram a leitura muito mais emocionante. 

Thalia foi o ponto que, eu devo confessar, mais gostei. O fato dela ser uma filha de um dos três deuses grandes e que poderia ser a criança da profecia foi um BOOM, poderia ser ela ou Percy. Saber que os dois se tornaram amigos e realizam missões juntos me deixou animada! Sim, eu torcia para que eles fossem amigos e de forma alguma inimigos. 

As caçadoras também me deixaram cativada. Caçadoras são as meninas que fazem um juramento e se juntam a deusa Ártemis em suas caçadas e nesse juramento inclui nunca mais viver um romance ou seja, nunca mais se apaixonar. É uma coisa bem séria para as caçadoras e no livro mostra bastante o poder feminino que elas querem mostrar e eu achei DEMAIS! 

A narrativa em primeira pessoa de Percy é muito maravilhosa. O autor faz com que pareça que estejamos interagindo com o protagonista e o modo como ele fala das coisas, enfim, como um adolescente faz com que a leitura se torne mais gostosa e mais divertida com as gírias do Percy. 

É um livro maravilhoso e eu aconselho a todos lerem a saga completa porquê vale a pena e entramos na mitologia grega e também romana nos outros livros da série em que o protagonista é outro. 

Bom, espero que vocês tenham gostado da resenha de hoje! Super beijos e até o próximo post. 

Paula Nunes 

O menino que pedalava
Autora: Cassia Cassitas
Páginas: 246

Sinopse: "Quando chegaram à guarita do condomínio, André voltou-se para sua mãe e a viu cumprimentando o vigia. Paciência, determinação e respeito. Era isso que estavam ensinando àquele garoto malcheiroso, revoltado e às vezes insuportável. "Se quisesse ser um grande ciclista,precisava aprender a lição." André pensou. Elizabeth estacionou o carro e acionou o controle remoto para fechar o portão da garagem. Apesar de tudo, naquele dia não houve quedas nem atropelamentos. Os tinguis estavam em casa e os patos podiam voltar para o lago."

Olá! Tudo bem com vocês? Hoje eu trago a resenha do livro O menino que pedalava, um livro que tirou minhas noites e que emociona a cada capítulo que se lê.

O menino que pedalava é um livro nacional que conta a história de André, o protagonista do livro, mas antes vamos falar da história que veio primeiro, a história de seus pais.

Elizabeth e Mário, um jovem casal, viajam o mundo organizando os preparativos para as olimpíadas. Viajam juntos para Seul, Barcelona e África do Sul em 1991 e é na África que Elizabeth engravida de André, um bebê que nasce sem os pés e com poliomelite.

André usa próteses no lugar de seus pés e descobre sua vocação e paixão: Ciclismo. Logo começa a treinar, fazer uma série de exercícios e regular a alimentação para estar em forma já que decidi ir para as paraolimpíadas de 2012 em Londres junto com sua amiga Mainara que também tem o mesmo sonho de André.
André passa por muitas dificuldades antes disso e também tem uma amizade desfeita quando criança, uma amizade que acreditava ser a melhor, mas que acaba de uma maneira triste.

Com o apoio de seus pais, de seu treinador, de sua amiga e de seu médico (que também é seu vizinho), André se esforça ao máximo e foca em seu objetivo de se tornar um grande ciclista.


"Amparado pelo cinto, André olhava aquele mundo novo com atenção. Em silêncio observava cada detalhe".


A escrita da autora é clara e objetiva e o mais legal foi ela contar primeiro como Elizabeth e Mário se conheceram, tornando a história mais interessante e melhor de compreender como André adquiriu a poliomelite.
O assunto abordado no livro também é surpreendente, fala do esporte e da importância dele na nossa vida e também fala um pouco sobre a deficiência em geral, já que André não tem os pés e sua amiga, Mainara teve Meningite e carrega sequelas consigo.

Os personagens são cativantes e nos emocionam com suas histórias, com sua força de querer e com a capacidade de envolver o leitor no livro.
André é um personagem incrível que mostra que apesar dos obstáculos, com determinação se consegue aquilo que tanto deseja. Elizabeth se mostra corajosa no momento em que tem de deixar de viajar junto com seu marido para poder cuidar e acompanhar a infância de André.

O livro tem 24 capítulos e em cada capítulo tem um ano e um lugar onde se passa aquele momento que está sendo narrado. No início são os lugares que Elizabeth viaja junto de Mário e depois começa a história de André, todos os lugares que ele visitou e morou, mas também intercala mostrando como Mário anda viajando sozinho e tendo também que acompanhar o crescimento de André.

O livro é contagiante, maravilhoso, que nos trás um novo mundo e uma nova visão sobre o esporte.

Espero que vocês tenham gostado da resenha de hoje! A resenha oficial se encontra no blog Intuição Literária, onde eu resenho, em parceria com a autora Cassia Cassitas 
Super beijos e até o próximo post! 

Paula Nunes.

Filme: Death Note
Data de Lançamento: 25 de agosto de 2017
Direção: Adam Wingard
Elenco: Nat Wolff, Margaret Qualley, Lakeith Stanfield...
Gênero: Suspense
Avaliação: 1,5/5

Sinopse: "Seattle, Estados Unidos. Light Turner (Nat Wolff) é um estudante brilhante que, um dia, encontra um caderno que repentinamente cai do céu. Trata-se do Death Note, que permite ao seu portador matar qualquer pessoa que conheça a partir da mera anotação do nome do alvo numa de suas páginas. Sob a influência de Ryuk (Willem Dafoe), o dono do caderno, Light passa a usá-lo para eliminar criminosos e pessoas que escaparam da justiça. A súbita onda de assassinatos faz com que ele seja endeusado por muitos, que o apelidaram de Kira, mas também atrai a atenção de um enigmático e também brilhante detetive, chamado L (Lakeith Stanfield)". 

Oi gente!!!! Tudo bem com vocês? Hoje eu trago a resenha do filme Death Note, baseado no anime Death Note.
Quem leu algumas críticas deve ter percebido que não foram nada boas e pessoas que assistiram ao anime e depois assistiram ao filme ficaram realmente decepcionadas, mas porque? Vamos Entender agora. 

Light Turner é um estudante dedicado, estudioso e que tira notas muito altas, um dia na escola um caderno misterioso cai do céu e Light quem o encontra. O Caderno, chamado Death Note, não é um caderno comum, na verdade quem tiver seu nome escrito nele morrerá. 

Light começa a escrever nomes de criminosos e matá-los para tornar um mundo melhor junto de sua namorada, Mia Sutton e com os olhares curiosos do shinigame Ryuk, o verdadeiro dono do caderno. Mas com o que Light não contava era com o detetive L que pretende derrotá-lo custe o que custar


O filme não é fiel ao anime em quase todo o momento, no início já vemos uma enorme diferença entre Light Tunner e Light Yagami, isso mesmo, o próprio nome! Vemos que no filme é Tunner e no anime é Yagami. 
A outra diferença entre eles é o jeito de ser, no anime observamos um Light calculista, frio e competitivo, já no filme vemos um Light que ganha dinheiro para fazer trabalhos para outros alunos. 

Misa também teve seu nome modificando para Mia, que no filme é totalmente diferente do anime. No anime percebemos que Light quem decide matar e continuar matando criminosos, mas no filme quem o faz querer matar é sua própria namorada, Mia, uma coisa completamente NADA A VER com o que é visto no anime. 

No anime, Light tem uma família composta por mãe, pai e irmã, no filme nos deparamos com uma situação completamente diferente, onde sua mãe foi morta e ele vive apenas com o pai policial que se mostra negligente em relação ao filho.

Acredito que o único personagem realmente parecido com o do anime seja o shinigami Ryuk, mas por mais que seja parecido fisicamente, também diferencia o fato de que no anime Ryuk e Light tem uma relação amigável, mas no filme parecem não serem tão amigos assim, até que em uma cena Light ameaça escrever o nome de Ryuk no caderno, mas o shinigami acaba dizendo que se Light tentasse fazer isso, não conseguiria escrever nem a primeira letra de seu nome. 

Bom gente, essa é a resenha de filme de hoje! Quem ainda estiver curioso para assistir ao filme eu aconselho que assista e comente aqui em baixo o que vocês acham comparado ao anime!

Super Beijos e até o próximo post!

Paula.

Filme: It- A Coisa
Data de lançamento: 7 de setembro de 2017 (2h 15min)
Direção: Andy Muschietti
Elenco: Bill Skarsgård, Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard mais
Gênero: Terror, Suspense
Avaliação: 5/5 

Sinopse: "Um grupo de sete adolescentes de Derry, uma cidade no Maine, formam o auto-intitulado "Losers Club" - o clube dos perdedores. A pacata rotina da cidade é abalada quando crianças começam a desaparecer e tudo o que pode ser encontrado delas são partes de seus corpos. Logo, os integrantes do "Losers Club" acabam ficando face a face com o responsável pelos crimes: o palhaço Pennywise".

Oi gente, tudo bem? Quanto tempo!!!! Verdade, eu demorei muito pra postar novamente aqui no blog por conta de provas e trabalhos de final do trimestre, mas agora voltamos com tudo, porque as leituras não pararam e muito menos o cinema. 

O filme é baseado no livro (de 1100 páginas!!) do Stephen King. A cidade de Derry começa a se deparar com o desaparecimento de muitas crianças. A única coisa que são encontrados depois são partes de seus corpos ou vestimentas que usavam antes de desaparecer. 

O irmão de Bill, Georgie é uma das crianças desaparecidas e Bill sofre com a ausência do irmão dês de então. Assim, junto com seus amigos do clube dos perdedores, eles vão em busca de Georgie e descobrir a causa de seu desaparecimento, um temível palhaço que pode modificar as emoções das pessoas e também se transformar nelas: O palhaço Pennywise. 


Eu queria ter lido o livro primeiro (qual leitor não quer?), mas o filme me surpreendeu demais! 

Os personagens são realmente cativantes e segundo as pessoas que leram o livro, fiéis aos do livro (melhor coisa EVER!) O palhaço Pennywise é assustador e é um conselho: Não sentem nas poltronas da frente do cinema, isso pode causar enormes sustos e parecer um filme 3D, com certeza você vai pular da poltrona (como eu fiz!) com as cenas em que o palhaço aparece aterrorizando tudo e todos. 

Por mais que seja um filme de terror, tem muitas partes cômicas no filme por meio dos adolescentes do "Losers Club" que acaba descontraindo bastante o telespectador. 

Achando que só tem terror, suspense e comédia? Nha, também tem um toque romântico no filme que acontece entre Bill e Berverly, sim, isso mesmo, romance. Mas não vamos falar muita coisa sobre pra não revelar spoilers por aqui. 

O filme é bem assustador e sobre pular das poltronas não é mentira não! Tinha gente gritando também rsrs, o bom é que não foi somente eu que pulei da poltrona em vários momentos. 

O filme realmente é muito bom!!!! Parece que esse ano é o ano dos filmes baseados nos livros de Stephen King não é? <3 

OBS: Essa semana ainda terá resenha de: Death Note o filme e resenha do livro: O Menino que Pedalava! 

Espero que tenham gostado da resenha de hoje!! Super beijos e até o próximo post <3


Paula Nunes.

Filha da floresta
Autora: Juliet Marillier
Páginas: 607
Editora: Butterfly
Avaliação: 5/5

Sinopse: "O domínio de Sevenwaters é um lugar remoto, estranho, guardado e preservado por homens silenciosos e criaturas encantadas, além dos sábios druidas, que deslizam pelos bosques vestidos com seus longos mantos... Passada no crepúsculo celta da velha Irlanda, quando o mito era lei e a magia uma força da natureza, esta é a história de Sorcha, a sétima filha de um sétimo filho, o soturno Lorde Colum, e dos seus seis amados irmãos, vítimas de uma terrível maldição que somente Sorcha é capaz de quebrar. Em sua difícil tarefa, imposta pelos Seres da Floresta, a jovem se vê dividida entre o dever, que significa a quebra do encantamento que aprisiona seus irmãos, e um amor cada vez mais forte, e proibido, pelo guerreiro que lhe prometeu proteção".

Olá! Tudo bem com vocês? 

Primeiramente: AMEI ESTE LIVRO COM TODO O MEU AMOR!

Este é o primeiro livro da trilogia Sevenwaters. O livro se passa na era medieval, nas terras de Sevenwaters, uma terra cheia de magia e segredos que pertencem ao temido Lorde Colum. Colum sofre muito com a perda de sua amada mulher, que faleceu ao dar a luz a sétima criança, nomeada Sorcha. Com a perda de sua esposa, Lorde Colum se afasta dos sete filhos (Liam, Diarmad, Conor, Comarck, Finbar, Padriac e Sorcha) e se dedica mais as batalhas e guerras contra seus inimigos, os Bretões.

Por mais que o pai fosse um pouco afastado, eles iam bem, estudavam junto do amigo Padre Brien e treinavam para as futuras batalhas. Mas tudo começou a desandar quando Lorde Colum conheceu Lady Oonagh e se apaixonou perdidamente.

Com a chegada de Lady Oonagh na casa, as coisas começaram a ir muito mal, discórdia, brigas e muita violência surgiram na fortaleza de Colum e uma terrível maldição contra os seis irmãos de Sorcha.

Sorcha agora tem uma missão: Salvar seus irmãos desta terrível maldição, mas não será nada fácil, terá muitos obstáculos terríveis a frente e se apaixonara por um guerreiro que irá lhe ajudar nessa missão, mas esse amor não será um mar de rosas, na verdade é proibido.


"Quando os Seres da Floresta lhe davam uma ordem, você a seguia sem questionar, fosse ou não do seu agrado."


O livro é narrado em primeira pessoa por Sorcha, tem uma narrativa maravilhosa, clara e objetiva. O livro é maravilhoso, prende o leitor em cada página e nos faz sentir todas as emoções dos personagens.

Sorcha é uma personagem extremamente cativante, corajosa e determinada, sempre pensando na família em primeiro lugar e não desiste de forma alguma, mesmo que seja algo cruel a se fazer por alguém que ela ame. Seus irmãos também são incríveis, todos tem um dom, Sorcha é uma curandeira incrível, Conor tem uma enorme sabedoria, Padriac cuida e ajuda os animais doentes e machucado como ninguém e assim por diante... Os que mais me cativaram foi Finbar que entende que a violência não leva a lugar algum, Conor que tem uma sabedoria incrível e sabe como usá-la e é claro nossa protagonista Sorcha.

Lady Oonagh é o oposto dos personagens citados a cima, maligna, megera que gosta de plantar a semente da discórdia em todos e Lorde Colum é um homem sem imaginação, sem um toque de amor por afastar-se dos filhos, defender Lady Oonagh e ser a favor da tortura para obter informações sobre os inimigos.

A capa do livro é maravilhosa e remete contos de fada. Tem uma pitada de contos de fadas nesse livro, mas é algo mais forte e cruel, como se fosse um conto dos Irmãos Grimm e a própria autora fala que é um romance baseado no conto germânico dos Irmãos Grimm, Os seis cisnes.

O livro é cheio de conteúdo, 607 páginas que prendem o leitor, que nos faz sentir cada emoção e não parar mais de ler o mesmo livro. Pretendo ler os outros livros da série para continuar nesse maravilhoso reino de Sevenwaters!

OBS: A resenha oficial de encontra no blog Intuição Literária, onde eu resenho! 

Paula Nunes.

Planeta dos Macacos - A Guerra 
Data de lançamento: 3 de agosto de 2017 (2h 20min)
Direção: Matt Reeves
Elenco: Andy Serkis, Woody Harrelson, Steve Zahn mais
Gêneros: Ficção científica, Ação, Aventura
Avaliação: 3/5

Sinopse: "Humanos e macacos cruzam os caminhos novamente. César (Andy Serkis) e seu grupo são forçados a entrar em uma guerra contra um exército de soldados liderados por um impiedoso coronel (Woody Harrelson). Depois que vários macacos perdem suas vidas no conflito e outros são capturados, César luta contra seus instintos e parte em busca de vingança. Dessa jornada, o futuro do planeta poderá estar em jogo".

Oi gente! Tudo bem com com vocês? Esse ano, por enquanto, fui bem pouco ao cinema, perdi muitos filmes que eu queria assistir (homem-aranha, mulher maravilha...) e falando bem a verdade não esperava assistir planeta dos macacos, já que eu tinha assistido os outros dois e não gostei :( Mas fui assistir (esse mês de agosto não estava muito forte de filmes no cinema) e é fato que achei este bem melhor que os outros, mas não morri de amores não. 

O coronel Kurtz começa uma guerra contra os macacos, invadindo o território e comprando um grande confronto contra o líder da tribo - César - que não deseja uma guerra e quer apenas viver em paz com sua família e com sua tribo. Por mais que César não queira uma guerra, o coronel Kurtz vai atrás de uma e mata o filho mais velho e a esposa de César. 

Cheio de ódio e amargura, César vai em busca de vingança com alguns de seus companheiros, mas sua trajetória até seu inimigo não vai ser fácil, vai encontrar muitos humanos que querem matá-lo, um novo companheiro e uma garota que vira uma grande companheira na sua batalha. 


Eu não posso dizer que amei o filme, mas com certeza, na minha opinião, foi o melhor dos três filmes da franquia.

Esse filme trás um toque pouco mais sombrio que os outros, mostra a revolta de César depois de ver seu filho e sua esposa mortos. Mostra a violência dos humanos contra os macacos e o que são capazes de fazer para fazê-los sofrerem. 

A trilha sonora é muito boa, mas tem um pouco de drama demais, realmente parece que querem que o tempo todo nós choremos com a trilha sonora triste e dramática em momentos pelos quais César passa sufoco ou quando finalmente encontra seu inimigo ou até quando se vê de frente com alguns macacos que o traíram e isso acaba ficando melodramático demais e estraga um pouco algumas cenas. 

O final é triste e na verdade não vi necessidade. Não vou falar muito claro, não quero revelar nada aqui, NOT SPOILERS! Mas pra mim foi decepcionante. 

Gostei muito dos efeitos do filme, de como César é corajoso e mostra sua força em todo o filme e como é determinado. 

Bom gente, espero que tenham gostado da resenha de hoje! Espero poder postar mais (faz muito tempo que eu não venho postando, muitos trabalhos!) e super beijos! Até o próximo post. 

Paula Nunes. 

Tecnologia do Blogger.