A rainha de Teraling
Autora: Erika Johansen
Editora: Suma de Letras
Páginas: 352
Avaliação: 5/5


Sinopse: "Quando a rainha Elyssa morre, a princesa Kelsea é levada para um esconderijo, onde é criada em uma cabana isolada, longe das confusões políticas e da história infeliz de Tearling, o reino que está destinada a governar. Dezenove anos depois, os membros remanescentes da Guarda da Rainha aparecem para levar a princesa de volta ao trono – mas o que Kelsea descobre ao chegar é que a fortaleza real está cercada de inimigos e nobres corruptos que adorariam vê-la morta. Mesmo sendo a rainha de direito e estando de posse da safira Tear – uma joia de imenso poder –, Kelsea nunca se sentiu mais insegura e despreparada para governar. Em seu desespero para conseguir justiça para um povo oprimido há décadas, ela desperta a fúria da Rainha Vermelha, uma poderosa feiticeira que comanda o reino vizinho, Mortmesne. Mas Kelsea é determinada e se torna cada dia mais experiente em navegar as políticas perigosas da corte. Sua jornada para salvar o reino e se tornar a rainha que deseja ser está apenas começando. Muitos mistérios, intrigas e batalhas virão antes que seu governo se torne uma lenda... ou uma tragédia."

Oi gente! Tudo bem com vocês?
O livro A Rainha de Tearling apresenta uma história medieval, onde a monarquia ainda predominava e que ocorriam muitas guerras por disputa de terras e reinos.
O livro nos apresenta Kelsea, a princesa herdeira do reino de Tearling, que até seus dezenove anos foi mantida escondida com pais adotivos em um chalé, por decisão de sua mãe, Rainha Elyssa, para que fosse educada e treinada pois precisava se tornar uma grande rainha.

Quando a Guarda da Rainha aparece no chalé onde viveu por dezenove anos para buscá-la, ela dá adeus aos seus pais adotivos e ruma, junto a guarda, para uma nova vida na Fortaleza. Mas Kelsea não imaginava que encontraria tantos inimigos querendo matá-la e tantas coisas que ainda não sabe sobre si mesma.
Kelsea se mostra ser destemida, corajosa, leal e bondosa com todos. Se surpreende ao ver seu povo na mais miserável vida e decidi por fim a esse sofrimento ao povo e se torna querida por todos antes mesmo de se sentar ao trono que se encontra ocupado por seu tio que vive luxuosamente sem se importar com o povo e só consigo mesmo.

Como se não fosse inimigos suficientes, A Rainha Vermelha, rainha do reino de Mortmesne também quer Kelsea morta, mas a rainha vermelha é uma vilã inteligente, audaciosa e que calcula como pode invadir Tearling e matar Kelsea para se livrar da princesa que todos a chamam de Rainha Verdadeira.
Vamos descobrindo magia no decorrer do livro vinda da rainha vermelha e das safiras que Kelsea carrega consigo para mostrar ser de fato a rainha de Tearling.




 Não há nenhum romance na trama, ocorre um "gostar" de Kelsea e Fetch, mas não aparece realmente se era recíproco da parte dele. O livro gira em torno de grandes rainhas e isso foi um ponto que eu achei interessante por não abordar reis que geralmente tem em livros medievais.

Os personagens são extremamente cativantes. Começando por Kelsea, ela mostra dês do início do livro ser uma pessoa corajosa, inteligente, bondosa, leal que daria sua vida pelo povo. Sua mãe, A rainha Elyssa que morrerá a alguns anos antes era vaidosa, se preocupava demais com a beleza deixando coisas realmente importantes de lado e Kelsea é o contrário da mãe, em relação a aparência, Kelsea não se considera bonita, se considera comum e predomina sempre o que vem de dentro, o caráter. Os guardas da rainha, no início do livro, devo confessar que não estava gostando de nenhum! Mas no decorrer do livro acabei gostando de todos, o mundo realmente dá voltas. Clava foi o meu preferido. Ele parecia carrancudo, enigmático e misterioso, mas se mostra fiel a Kelsea, corajoso, com habilidades fora do comum e muito leal a rainha.
Fetch, o pai dos ladrões realmente foi uma surpresa para mim, foi algo diferenciado dos livros, uma rainha gostar de um ladrão. Pareceu ser recíproco até certa parte, mas é duvidoso, pois Fetch é misterioso, não revela sentimentos, é um ladrão procurado pelo reino inteiro e que não sente dó nem piedade na hora de cometer suas crueldades.

É um livro maravilhoso, com uma narrativa clara, objetiva e uma narrativa coloquial encantadora. A autora envolve o leitor no livro, fazendo ler muito do livro todos os dias e nem percebemos quando o livro acaba de tão envolvente e quando acaba é uma sensação de: Porque eu não li mais devagar?
Confesso que fiquei confusa em relação de ser o passado, já que a era medieval já se foi, ou se é um futuro no qual as coisas relacionadas a tecnologia já aconteceram, mas se perderam em um oceano e novamente voltou essa era da fala coloquial, vestidos compridos e a monarquia.
A capa é linda, mas a impressão contém letras pequenas que dificultam na hora da leitura, mas você vai se acostumando e nem percebe depois o tamanho da fonte.

É um livro que não deixa o leitor cansado de coisas repetidas justamente por que tudo dentro da trama é uma surpresa e é aquele típico livro que faz você pedir só mais um capítulo.

A resenha original se encontra no blog Intuição Literária  em parceria com a editora Suma de Letras :) 

Paula Nunes.

Deixe um comentário

Tecnologia do Blogger.